Plantas para piscinas podem ser um desafio para muita gente, mas se você escolher as plantas certas, o local ficará exuberante.

É incontestável que qualquer espaço fica ainda mais lindo com a presença de plantas ornamentais ou até mesmo frutíferas e arbóreas. Além disso, as plantas tornam os ambientes mais humanizados e harmoniosos, proporcionando bem estar às pessoas que convivem nesses espaços.

Por isso, é muito importante fazer a escolha adequada da vegetação a ser especificada no projeto de paisagismo e jardinagem, levando em consideração não somente as características morfológicas, mas também fisiológicas da planta.

Em áreas de piscina, por exemplo, a jardinagem consegue tornar o ambiente mais agradável ao lazer e ao relaxamento das pessoas. Por serem áreas externas, de muita incidência do sol, é extremamente importante que as plantas escolhidas sejam adaptadas à condição de sol pleno e garantam o aproveitamento adequado do espaço, sem comprometer a mobilidade das pessoas.

E como o paisagismo é também uma ciência natural, não existem regras engessadas e nem “receita de bolo” no momento de se pensar em um jardim. Tudo depende de uma série de fatores como: a área do espaço disponível para as plantas; as características ambientais locais; o porte e as características morfofisiológicas das plantas; a previsão orçamentária para investimento; o objetivo com as espécies vegetais escolhidas; entre outras.

Assim, como em qualquer projeto de paisagismo e jardinagem, é de fundamental importância o planejamento prévio. Sempre que possível, contratar um profissional qualificado e se não for possível, buscar por informações de qualidade em sites confiáveis e que abordem os assuntos de forma técnica e responsável. Um projeto de paisagismo mal elaborado pode sair muito caro e gerar problemas técnicos e grandes dores de cabeça, no futuro.

O MELHOR SUBSTRATO PARA ORQUÍDEAS

Pensando nisso, trouxemos aqui, algumas dicas e possibilidades para que você possa utilizar plantas para piscinas e fazer sua área ficar mais bonita, funcional e tecnicamente bem planejada.

plantas para piscinas capa

Dica 1 – Conheça a área disponível para a jardinagem

Plantas para piscinas podem estar em vasos, de diferentes tamanhos, estilos e materiais, assim como é possível a presença de canteiros e/ou jardineiras e floreiras.

Se o arquiteto, engenheiro civil, pedreiro ou até mesmo o próprio proprietário, tiverem planejado a construção de jardineiras, aumentam-se as possibilidades de jardinagem. Isso porque a área fica mais bem aproveitada e as opções de espécies de plantas, possíveis de serem usadas, aumentam.

Caso as jardineiras não tenham sido planejadas e há uma limitação para uso de espaços permeáveis, pode-se lançar mão de usar vasos.

Estes podem ser de fibra, de cimento e de cerâmica, por exemplo. Podendo ser de vários tamanhos, diâmetro e altura, a depender do tipo de planta que vai ser plantada. Podem ser em grandes ou pequenas quantidades, de modo a formarem composições entre si.

Isso tudo depende do quanto você quer e pode gastar; do que é mais fácil de ser encontrado na sua região; das características da planta para piscina que você pretende plantar nos vasos; do que melhor combina com a proposta paisagística; da área livre para posicionar os vasos; entre outros fatores.

Outra possibilidade em áreas de piscina, é o uso de jardins verticais, aproveitando as paredes ditas como “nuas”, principalmente se não existem jardineiras ou se há pouco espaço horizontal para o uso de vasos no piso.

jardim vertical em piscinas
fonte: The Biopool

Além de otimizar o espaço, os jardins verticais são uma forte tendência no paisagismo e bastante usuais no entorno de piscinas. Esses jardins podem ser feitos de diversas maneiras (vide artigo sobre jardins verticais), inclusive formando paredões verdes, cheios de plantas em toda sua dimensão.

Nesse caso, o espaço fica mais aconchegante, pois tem-se a sensação de inserção em uma minifloresta. Além de reduzir a poluição visual causada pelas paredes, principalmente se estas não possuem revestimentos.

Os jardins verticais são muito usados próximos a cascatas da piscina ou próximos aos chuveiros, dando lindos acabamentos aos elementos estéticos e funcionais existentes na área. Podem ser combinados com o uso de pergolados ou caramanchões que criam um ambiente agradável e que podem ser usados para o suporte de plantas trepadeiras ou que se comportem como tal, a exemplo da primavera ou da tumbérgia.

Estas crescem na estrutura do pergolado e formam lindos telhados vivos, criando um espaço mais sombreado e funcional, na área de piscina.

Dica 2 – Entenda as características climáticas da sua região

Em via de regra, as áreas de piscinas são à céu aberto e, portanto, sob sol pleno. Assim, as plantas para piscinas a serem usadas, devem ser adaptadas à incidência direta do sol. Reconhecer as condições do clima é importante, pois estas interferem na escolha das vegetações.

Uma região onde há bastante vento, por exemplo, requer a utilização de plantas resistentes ao tombamento e quebra, devido às correntes de ar.

Plantas mais lenhosas e com um diâmetro de caule maior são mais resistentes aos fortes ventos. Plantas de caules mais finos e muito altos, como algumas espécies de palmeiras, tem mais chances de tombarem nessas condições, principalmente se a profundidade do solo onde foram plantadas, não for grande o suficiente para fixar bem as raízes.

plantas altas em área de piscina
fonte: Daniel Faust

Além disso, conhecer essas características pode determinar a escolha de espécies que possam vir a minimizar tais questões climáticas. Se regiões com muito vento, é possível usar plantas para piscinas que funcionem como “quebra vento”. Estas servem como barreiras físicas e ainda levam privacidade para a piscina, principalmente se a piscina for de área privativa. Podocarpos e outros pinheiros podem ser opções para essa finalidade.

Se a região for de constantes chuvas, é necessário usar plantas resistentes ao excesso de água e umidade do solo. Geralmente são plantas mais tropicais ou que foram ambientadas em viveiro, a tais condições. Já se a região for de clima mais seco, o ideal é usar plantas de clima mais árido, exigentes em regas menos frequentes.

Dica 3 – Conheça as características externas e internas das plantas

Conhecendo as possibilidades e limitações dos espaços da piscina e as características climáticas da região, é possível escolher, mais assertivamente, as vegetações que irão compor o paisagismo dessa área de piscina.

Todo tipo de planta pode ser usado em áreas de piscina, desde as herbáceas até as arbóreas. Tudo depende das particularidades do projeto como um todo. Plantas de porte médio ou grande, ou ainda pequenas, mas que tenham potencial para atingir portes maiores, necessitam de espaço que permita seu bom desenvolvimento.

Então, se usados vasos, esses precisam ter um diâmetro que comporte o torrão da planta e proporcione adequado desenvolvimento das raízes. É importante também, que o material seja resistente, pois plantas para piscinas com sistema radicular muito grande, geram grande pressão nos vasos e podem rachá-los e/ou quebra-los.

Como geralmente, as áreas de piscinas são ensolaradas, as plantas escolhidas devem suportar as horas diárias de sol direto, durante o dia. Plantas não adaptadas a tais condições, podem ter suas folhas queimadas e virem a morrer, o que implica em prejuízo financeiro, além de deixar o jardim com aspecto de feio e mal cuidado.

Apesar do pleno sol ser importante para uma área de piscina, já que o objetivo é também pegar um bronze, é importante que haja um mínimo de conforto térmico aos usuários do espaço. Esse conforto pode ser promovido de forma artificial, por meio de ombrelones ou outros tipos de guarda sol, por exemplo, mas também por meio das plantas. Estas melhoram a sensação térmica pela diminuição da temperatura ambiente e pelo aumento da umidade do ar, além de promovem sombreamento, se forem plantas arbóreas com copas grandes.

Paredes verdes, com jardins verticais, por exemplo, revestem o concreto e reduzem a absorção do calor, pelos muros. Isso faz com que, ao redor da piscina, haja uma sensação mais agradável de umidade, gerada pelas plantas.

Dica 4 – Entenda que o jardim e as plantas precisam de manutenção

Além de escolher plantas para piscinas baseadas nas condições climáticas e características físicas da área de piscina, é importante pensar na manutenção e cuidados que essas plantas precisam, constantemente.

Plantas para piscinas que produzem muitas folhas vão precisar de podas de limpeza frequentes; todas as plantas vão precisar de adubação e regas de acordo com suas necessidades fisiológicas; é importante vistoriá-las quanto à presença de pragas e doenças, para combate-las, se necessário. E isso tudo precisa ser feito com disciplina para que o jardim se mantenha vivo e saudável por muito mais tempo.

Outro cuidado que se deve ter, é com as plantas que deixam cair muitas pequenas folhas no chão ou até mesmo na piscina, como as samambaias e os alfinetes, por exemplo.

É mais trabalhoso manter sempre limpa a área e a água da piscina, quando há a presença de plantas com essa característica. Plantas com folhas maiores e que não tem a característica de queda frequentes, podem ser mais interessantes para esses casos. Mas cuidado com as plantas que possuem folhas muito grandes, como as palmeiras, pois a queda das folhas pode representar risco de acidentes.

Por tudo isso, é muito importante escolher muito bem as plantas para piscinas que irão compor o paisagismo. Já sabendo de todas essas dicas, listamos 10 plantas para piscinas que podem, a depender de tudo o que já foi dito, ser usadas no seu projeto.

Planta para piscina: Gauimbê (Philodendron bipinnatifidum)

Planta para piscina: Gauimbê
fonte: Plants in a Box

Essa é uma das folhagens mais ornamentais nos projetos paisagísticos contemporâneos. Suas folhas grandes, recortadas e brilhantes, tornam a planta muito escultural.

Pode ser plantada em vasos e jardineiras e até mesmo em jardins verticais. Podem formar lindos maciços ou ainda serem plantadas isoladamente. E por serem adaptadas tanto à meia sombra, quanto ao pleno sol, são ótimas opções para jardins. Umas das melhores escolhas de plantas para piscinas.

O solo para plantio deve ser rico em matéria orgânica e com boa capacidade para drenar a água excedente, pois o excesso de umidade pode matar a planta, apodrecendo o caule e as folhas.

Planta para piscina: Pleomele variegata (Dracaena reflexa)

Essa planta é uma ótima opção para quem busca um jardim mais tropical e menos monocromático. As folhas da pleomele variegada são verdes no centro e amarelas nas bordas, o que as torna bastante ornamental. É uma planta que pode atingir alturas de 3 metros, podendo ser usada para fazer bordaduras de muros ou até mesmo cercas vivas.

Planta para piscina: Pleomele variegata
fonte: Faz Simples

Pode ser plantada isoladamente, em vasos ou agrupada formando lindos maciços. Por ser semi lenhosa, é uma boa opção para regiões onde há predominância de ventos, pois é mais resistente a tombamentos.

O solo deve ser rico em matéria orgânica, com boa capacidade de reter água e as adubações devem ser feitas a cada 45 dias, de acordo com a necessidade nutricional.

Planta para piscina: Dracena vermelha (Cordyline terminales)

É uma planta para piscinas que também deixam o local mais tropical e menos monocromático. Podem ser encontradas dracenas vermelhas, arroxeadas, róseas, variegadas que levam mais cor para dentro do projeto.

Também adaptada à pleno sol, pode ser cultivada em bordaduras de muros, inclusive em combinação com outras espécies de plantas. O solo deve ser rico em matéria orgânica e com boa capacidade de drenagem da água.

Essa dracena tem um caule fino e longo e, portanto, pode tombar e/ou quebrar em regiões onde há fortes ventos. Com o tempo, depois de crescerem em altura, ficam “caneludas” e isso pode ser disfarçado com o uso de outras vegetações menores, fazendo forração na base das cordilines.

Planta para piscina: Bromélia imperial (Alcantarea imperialis)

A bromélia combina super bem com áreas de piscinas e por ser uma planta de pleno sol, fica exuberante no jardim. É uma planta para piscinas que pode ficar muito linda em um vaso, mas também em um canteiro, junto a outras bromélias da mesma espécie ou de espécies diferentes.

Alcantarea imperialis  na piscina
fonte: Paradisus Garden Lovers – Peter Nixon

É uma planta tropical e que, inclusive, faz lindas combinações com o guaimbê, pleomele e cordiline na mesma área da piscina ou até mesmo no mesmo canteiro. Deve ser cultivada em solo leve, bem drenável, enriquecido com matéria orgânica e mantido úmido regularmente. Por ser bastante rústica, a bromélia imperial é resistente ao vento, diversas pragas e doenças, requer pouca manutenção e ainda pode tolerar geadas.

Planta para piscina: Moreia (Dietes iridioides)

Essa planta de sol pleno lembra a íris, mas é muito mais rústica, sendo sempre uma ótima opção para jardins com muita incidência de luz solar. Pode ser usada isolada, mas sua beleza se torna mais exuberante quando em conjunto com outras moreias, formando maciços.

Planta para piscina: Moreia
fonte: Recanto das Flores

É uma planta para piscina de baixa manutenção, pouco exigente em adubação, mas que precisa ser plantada em solo rico em matéria orgânica e com boa capacidade de drenagem da água. O excesso ou a falta de água podem fazer com que as pontas das folhas fiquem secas.

Moreias na piscina
fonte: Casa Claudia

Apresenta flores brancas ou amarelas, que conferem à planta uma ótima capacidade de ornamentação. Em maciços, podem forrar a base de plantas mais altas, como palmeiras e espécies arbóreas.

Planta para piscina: Dianela (Dianella tasmanica)

Planta de sol pleno em regiões de clima subtropical ou temperado, e de meia sombra em regiões de clima tropical. É muito usada para formar maciços em canteiros e jardineiras. Assim como a moreia, a dianela pode ser usada para formar a forração de plantas mais altas. Não apresenta florações de importância ornamental, de modo que suas folhas são o que conferem sua capacidade ornamentativa.

Planta para piscina: Dianela
fonte: Julio Sousa Paisagismo

É considerada uma planta coringa, se encaixando em diferentes tipos de jardins, de acordo com o seu estilo. O solo precisa ser leve, com bons teores de matéria orgânica e as regas devem ser regulares. Pode receber fertilizações semestrais ou sempre que apresentar sinais de deficiência nutricional.

Planta para piscina: Palmeira fênix (Phoenix roebelenii)

Essa palmeira é uma das mais usuais em jardins de pleno sol, mas também de meia sombra. Pode ser cultivada em vasos, desde que proporcionais ao seu tamanho e que permitam seu pleno desenvolvimento. Mas também podem ser plantadas em solo livre, em canteiros próximos à piscina, junto à outras plantas ornamentais.

Planta para piscina: Palmeira fênix
fonte: swflamls

Pode se adaptar aos mais variados tipos de solo, pois possui um sistema radicular rústico, porém prefere os bem drenáveis, enriquecidos com matéria orgânica e úmidos. Sua manutenção se baseia em podas de limpeza do caule para retirada dos restos de folhas, assim como das folhas mais baixas que vão ficando amareladas.

Planta para piscina: Palmeira fênix
fonte: luerzersarchive.com

As folhas da fênix apresentam espinhos ao longo de sua haste e, portanto, requer muito cuidado no momento das limpezas da planta e deve ser plantada em locais onde crianças não tenham acesso.

Planta para piscina: Palmeira laca (Cyrtostachys renda)

Palmeira tropical tem grande efeito paisagístico, chamando a atenção pela cor vermelha dos pecíolos e bainhas das folhas. Diferente da fênix, é uma palmeira que perfilha, formando outras palmeiras, que juntas dão volume ao jardim, com suas touceiras.

Planta para piscina: Palmeira laca
fonte: Cyrtostachys renda

Pode ser usada isolada, tanto em vasos grandes, como em canteiros de solo livre. Pode ser usada em conjunto com outras palmeiras laca, formando lindos e imponentes paredões verdes. O vermelho vibrante natural dessa palmeira, em contraste com o verde das suas folhas, quebra a monotonia um jardim somente com folhagens verdes. Mas junto a outras plantas de cores e texturas diferentes, essa monotonia se torna inexistente.

Em regiões litorâneas, onde há grande salinidade nos solos e intensas correntes de vento, a palmeira laca se torna uma ótima opção, pois resiste à essas intempéries. Deve ser cultivada em sol pleno ou meia sombra, em solo fértil e bem drenável. E não é recomendada para regiões muito frias, pois apresenta grande sensibilidade a baixas temperaturas.

Planta para piscina: Palmeira carpentária (Carpentaria acuminata)

Palmeira que confere bastante elegância aos jardins e, por chegar a atingir alturas maiores que 10 metros, é muito imponente. Seu caule comprido requer estruturas de suporte até que as raízes da planta estejam completamente fixadas ao solo, de modo a evitar que tombem, principalmente em regiões de muito vento.

Planta para piscina: Palmeira carpentária
fonte: Conexão Decor

Pode ser plantada em solo livre, como em áreas de gramado, mas também em canteiros ou jardineiras feitos, proporcionalmente, ao tamanho que a planta possui ou pode atingir. Lembrando sempre que o sistema radicular é proporcional à altura da planta.

Planta para piscina: Palmeira carpentária
fonte: casa vogue

Essa palmeira produz densos cachos de frutos vermelhos quando maduros e que também conferem característica de ornamentação à planta. Porém, deve-se ter cuidado com a queda desses cachos e também das folhas, que podem representar riscos de acidente.

É uma planta para piscinas que tolera solos encharcados, podendo ser muito usada em regiões onde chove muito e pode ser plantada isolada, como ponto focal, mas também em conjunto com outras palmeiras iguais, de mesmo tamanho ou de tamanho diferentes.

Planta para piscina: Coqueiro (Cocos nucifera)

O coqueiro é uma palmeira que, além de ter função de ornamentar, também produz frutos comestíveis e que combinam muito com piscinas. Mas por produzir frutos e folhas grandes, é importante não plantar muito próximo à piscina ou às áreas de muita circulação ou permanência de pessoas. Isso porque a queda desses órgãos da planta, podem causar acidentes.

O ideal é plantar os coqueiros, gigantes ou anões, na área de solo permeável, no entorno da piscina, onde há gramado, por exemplo.

Coqueiro (Cocos nucifera) na piscina
fonte: Imovelweb

É uma palmeira que pode ser plantada em regiões litorâneas, pois tolera a salinidade e resiste aos fortes ventos. Deve ser cultivada em sol pleno, em solos arenosos ou areno argilosos, profundos e irrigados com frequência. As palmeiras de modo geral são bastante exigentes em água e a falta dela pode fazer com que as folhas fiquem secas e a planta morra.

Coqueiro (Cocos nucifera) na piscina
fonte: Arbo Imóveis

Plantas para piscinas que requerem atenção

Todas essas plantas são opções que podem ser possíveis em áreas de piscina, mas a escolha das melhores espécies depende de todos os fatores já comentados e da disponibilidade dessas plantas na sua região. É sempre uma ótima decisão, escolher por plantas para piscinas que foram cultivadas na sua região e que já estão adaptadas às características climáticas locais.

As plantas que não podem ser plantadas próximas às piscinas ou que merecem uma atenção especial, são as que produzem frutos grandes ou que tenham folhas grandes ou ainda que formem galhos pesados. Todas essas estruturas irão cair da planta, em algum momento, quando estiverem velhas, doentes ou maduras e podem cair sobre a cabeça de alguém, representando um risco eminente.

Palmeiras de modo geral e que produzem cachos, e a maioria das espécies de árvores, são plantas que merecem esse cuidado.

Outro cuidado que se deve ter, no momento de escolha das plantas para piscinas, é em relação ao tamanho que estas podem atingir. Geralmente as plantas são compradas em tamanho pequeno ou médio, mas que possuem potencial para atingir tamanhos maiores.

O sistema radicular de algumas plantas, como palmeiras e árvores, é muito grande e geram pressão de crescimento que podem rachar estruturas de concreto, como muros e pisos e podem ainda, comprometer os sistemas de esgoto e hidráulicos, quebrando as tubulações.

Por isso, é importante entender a fisiologia da planta antes de escolher as espécies vegetais, baseado somente na aparência estética. É importante que o jardim seja bonito, com plantas ornamentais apresentando boas características estéticas e que ornem com a arquitetura da casa e da própria área da piscina. Mas também é importante escolher as plantas baseado na biologia de cada uma delas, evitando problemas futuros.

Inspire-se com fotos de paisagismo em áreas de piscina

Veja abaixo algumas fotos de jardins em áreas de piscinas, com mais plantas do que as que já foram citadas nesse artigo.

Plantas para piscinas com canceiros ao redor

canteiro de plantas em área de piscina
fonte: Houzz

Plantas para piscinas formando um jardim rústico

jardim na piscina
fonte: Image Locations

Plantas para piscinas deixando a área mais sombreada e enfeitada nos cantos

plantas ao redor de piscina
fonte: Eco Outdoor

Jardim rústico ao redor da piscina

cactos na piscina
fonte: Shasta Pools

Plantas para piscinas formando uma parede verde

jardim vertical piscina
fonte: Contemporist

Diversas plantas e vasos ao redor da piscina

plantas ao redor da piscina
fonte: Pool & Spa Depot

Plantas para piscinas em um canteiro ao redor da área

plantas para piscinas
fonte: Rojgar Aur Nirman
diversas plantas em área de piscina
fonte: SwimmingPool Pics
paisagismo em piscinas
fonte: Roedell’s Landscaping
jungle na piscina
fonte: HGTV
vaso de plantas na piscina
fonte: Homemydesign.com
plantas coloridas para piscinas
fonte: R&R Sprinkler and Landscape
plantas para piscinas
fonte: Young House Love

Conclusão

A escolha da melhor planta para piscina para cada tipo de projeto vai depender de vários fatores climáticos, técnicos, financeiros e biológicos. Portanto, é importante planejar bem o jardim de uma piscina, principalmente porque se trata de uma área com constante presença de pessoas.

Não existe, assim, uma receita de bolo para implantação de jardins, tudo depende das particularidades de cada projeto. O que se deve ter sempre em mente, é que as plantas são seres vivos e que se desenvolvem de acordo com suas características genéticas.

Portanto, se a planta tem potencial para produzir frutos grandes, ela vai produzir frutos grandes; se pode ter uma raiz agressiva, ela terá uma raiz agressiva; se tem característica de queda de folhas, ela terá suas folhas caindo. A natureza delas não se adequa aos projetos paisagísticos, os projetos paisagísticos é que precisam se adequar à natureza delas.

Foto da capa: Landscape By Design

Participe do Grupo do Telegram 1
14 Shares:
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

dezessete + 3 =

Você também pode gostar: