26.2 C
São Paulo
domingo, maio 12, 2024

Fóssil Irlandês Revela Defesa De Plantas De 360 Milhões De Anos

Um grupo internacional de cientistas, liderado pela Dra. Carla J. Harper, professora assistente de Botânica da Escola de Ciências Naturais da Trinity, descobriu a mais antiga evidência de autodefesa em plantas em um fóssil de 360 milhões de anos no sudeste da Irlanda.

As plantas podem proteger sua madeira contra infecções e perda de água formando estruturas especiais chamadas “tiloses”.

Tiloses são estruturas especializadas que algumas plantas formam dentro de suas células do xilema, que é o tecido responsável pelo transporte de água e nutrientes em direção às partes superiores da planta. As tiloses são uma forma de defesa das plantas contra infecções por fungos e bactérias e ajudam a evitar a perda excessiva de água. Elas são formadas a partir de células adjacentes ao xilema que crescem e se expandem para preencher os vasos do xilema, bloqueando assim o caminho para microrganismos invasores. As tiloses também podem ser responsáveis ​​pela coloração avermelhada ou marrom de algumas madeiras, como a do carvalho.

imagem de uma tilose na estrutura celular de uma planta
Fonte: Química da madeira (imagem melhorada por Pergunte ao Agrônomo)

Estas estruturas evitam que patógenos bacterianos e fúngicos entrem no cerne da árvore e o danifiquem. No entanto, não se sabia anteriormente quão cedo na evolução das plantas as espécies lenhosas se tornaram capazes de formar essas defesas.

fóssil de 360 milhões de anos
Observação microscópica de uma seção de madeira fóssil da era Devoniana contendo tiloses
e detalhe de uma área mostrando vários tiloses (setas) produzidos por parênquima
célular (P) dentro de uma célula condutora (C); escala: 0,05 mm (50 µm). Crédito: A-L
Decombeix.

Publicado na Nature Plants, o fóssil de madeira do final do Devoniano (360 milhões de anos) da área da Península de Hook Head, Co. Wexford, na Irlanda, é a mais antiga evidência de formação de tiloses.

novo fóssil descoberto
Madeira do Devoniano tardio Callixylon contendo tiloses a, seção transversal, mostrando os limites dos anéis de crescimento (setas brancas). b, Detalhe de uma seção transversal com duas semi-retas. c, Corte longitudinal radial, mostrando grupos de pontuações separadas por áreas não pontuadas (setas brancas) típicas de Callixylon. d, Corte longitudinal tangencial de um raio contendo o que parecem ser traqueídes de raio (seta preta). e,f, Vistas gerais de áreas com abundantes tilos. g, Tilo bloqueia totalmente uma célula condutora. h, Raio com várias protuberâncias pequenas (desenvolvendo tilos) em um traqueídeo adjacente. i, Pequeno crescimento de uma célula de raio em um traqueídeo. j, Raio com tilos em ambos os lados. k, Tilose sem conteúdo escuro (translúcido). Todas as imagens foram selecionadas a partir da observação direta das preparações de um único fóssil (nº HH5) ao microscópio: a,b, lâmina HH5-B-CT1r; c, HH5-E (superfície da amostra); d–g,j,k, slide HH5-D-G1r; h, slide HH5-D-G1v. Uma visão geral do slide HH5-D-G1r é fornecida nas Informações Suplementares. Barras de escala: a, 200 µm; b, e, f, 100 µm; c, d, g–k, 50 µm. R, raio. As setas indicam tilos.
Fonte: Nature Plants

Essas plantas viveram muito antes da época dos dinossauros ou mesmo dos insetos voadores. Elas formaram as primeiras florestas primitivas, quando as plantas dominavam os continentes, acompanhadas por microorganismos, fungos e parentes próximos de aranhas, milípedes e centopeias.

O fóssil da equipe liderada pela Dra. Harper mostra que essas árvores primitivas foram capazes de formar tiloses para proteger sua madeira. O que é particularmente emocionante é que a Irlanda é um dos poucos lugares do mundo onde tais detalhes podem ser observados em plantas desse período remoto. Isso significa que os fósseis de Co. Wexford fornecem um conhecimento único sobre esse importante período na evolução das plantas.

“Fóssil de madeira é um exemplo de fóssil preservado anatomicamente: restos de plantas que foram infiltrados por água rica em minerais, preservando seus tecidos em três dimensões. Esses fósseis nos permitem estudar detalhes muito finos da anatomia de plantas extintas, até o nível celular. Esse tipo de preservação, em geral, é raro, mas ocorre em certos depósitos de fósseis na Irlanda”, explicou a Dra. Harper.

A Irlanda tem sido conhecida como a Ilha Esmeralda devido às suas famosas colinas verdes, mas essas descobertas nos ajudam a entender como e quando esse “averdejamento” começou.

“Estudando essas plantas fósseis e seus ambientes passados, podemos obter poderosas visões sobre a história dos processos fisiológicos das plantas que ainda ocorrem hoje, e sobre os ecossistemas atuais e futuros da Irlanda e do mundo”, disse a Dra. Harper.

A descoberta é um marco significativo na compreensão da evolução das plantas e sua capacidade de autodefesa.

Referência

Trinity College Dublin. “360-million-year-old Irish fossil provides oldest evidence of plant self-defense in wood.” ScienceDaily. www.sciencedaily.com/releases/2023/04/230421134352.htm (accesso em 29 de Abril, 2023).

Gilberto
Gilbertohttps://pergunteaoagronomo.com.br/
Sou Engenheiro Agrônomo, formado pela Universidade Federal de Viçosa – UFV, possuo MBA em Agronegócios pela Esalq-USP. Tenho mais de 20 anos de experiência no cultivo de orquídeas e experiência internacional em hortaliças e frutiferas.

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

11,909FãsCurtir
2,306SeguidoresSeguir
1,098SeguidoresSeguir
21,400InscritosInscrever
- Anúncio -

Últimos Artigos

- Anúncio -